Organização ambidestra: o que é e como implementar? Veja!

Competências Essenciais

Organização ambidestra: o que é e como implementar? Veja!

Artigo
Organização ambidestra: o que é e como implementar? Veja!

As organizações são sistemas geralmente projetados para reproduzir, repetidas vezes, um tipo específico de competência. Tendem a confiar em rotinas, papéis, expectativas culturais e identidades já conhecidas para conseguir um desempenho consistente nas tarefas mais comuns. Por isso, surge a organização ambidestra, que busca conciliar a abertura para inovações na empresa e a excelência operacional.

Essencialmente, as organizações são projetadas para permanecer como estão. Alguns teóricos argumentam que é mais provável que as organizações desapareçam do que passem por uma grande transformação.

Entretanto, os líderes das organizações com frequência entendem que, diante de disrupções significativas como a globalização e a digitalização, é essencial passar por importantes transformações organizacionais e inovações estratégicas. 

Uma empresa ambidestra fornece o cenário ideal para essas inovações e para o avanço da companhia. Confira abaixo como este conceito funciona e todas as suas vantagens.

O que é uma organização ambidestra?

Os empreendedores estão muito familiarizados com a tensão positiva associada ao ato de fazer negócios da forma como é (a exploração “no mau sentido”) e de uma forma inovadora (a exploração “no bom sentido”). Entretanto, a simples consciência do poder dessa tensão muitas vezes não é suficiente para conseguir alcançar, de fato, uma combinação de ambas na prática.

Uma organização ambidestra é aquela que continua operando normalmente em seu modelo tradicional, procurando melhorias contínuas para suas rotinas atuais e, ao mesmo tempo, investe em mudanças e testes de inovação. Ela tem capacidade de trabalhar com os dois modelos. Assim, mantém sua estabilidade e eficiência mas também avança para o seu desenvolvimento e posicionamento no mercado.

Como ter uma empresa ambidestra?

Alguns desafios irão aparecer na hora de implementar o conceito de ambidestria dentro de uma empresa. Antes, é preciso planejar, avaliar as necessidades da organização e fazer a escolha de algumas abordagens para obter sucesso neste novo modelo de negócio.

Abordagens para a ambidestria

Há quatro abordagens para que as organizações possam ser ambidestras:

  1. Criar ou adquirir uma unidade separada independente focada em atividades exploratórias.
  2. Alocar um momento especial para a exploração positiva (por exemplo, um dia por mês).
  3. Definir pessoas dentro da unidade para trabalhar em tarefas exploratórias.
  4. Criar uma cultura na qual todos estejam explorando positivamente e se sintam empoderados para desafiar formas existentes de trabalhar para descobrir novos valores.

Os empreendedores devem analisar cada uma dessas abordagens e ver qual se encaixa melhor. Por exemplo, se uma organização não tem uma forte cultura baseada em aprendizagem e experimentação, abordagens de separação estrutural (tal como criar uma unidade independente) podem funcionar melhor. Uma nova unidade permitiria que brotassem ideias inovadoras antes que a pressão de gerar receitas e lucros sufocassem as novas ideias.

Como enfrentar a disrupção digital?

A criação e o desenvolvimento de um experimento digital interno é uma abordagem para a transformação digital que eu vi ocorrer em muitas organizações. Entretanto, os desafios surgem quando a alta liderança decide que um modelo em formato digital precisa substituir as formas tradicionais de trabalho. 

Como se lida com essa imensa transformação e inovação disruptiva? Uma das respostas é: descartar completamente a organização tradicional. Entretanto, com essa abordagem, é provável que se percam no processo valiosas competências e relacionamentos existentes.

Ao lidar com disrupção digital, criar uma unidade de negócios separada ou adquirir uma start-up em um espaço relacionado pode ser algo particularmente frutífero. 

Isso acontece porque os modelos de negócios que funcionam na esfera digital podem ser, muitas vezes, uma ameaça para os funcionários atuais, pois substituem o trabalho manual pela automação e questionam seu conhecimento ao introduzir especialistas de fora, como por meio do crowdsourcing e da análise preditiva. Essas iniciativas provavelmente encontrarão forte resistência.

Como solução, proponho uma abordagem com três pilares estratégicos. Veja a seguir:

A abordagem em três pilares

Esses três pilares ajudam as organizações a integrar o melhor do velho e do novo quando se trata de incluir os experimentos de transformação digital dentro dos processos diários de negócios. Vou me concentrar no tipo de experimento digital que transforma os processos organizacionais focados em inovação e os processos de tomada de decisões.

Começarei com esta premissa: bem lá no fundo, as crenças e atitudes da organização com relação a produzir os melhores insights para um problema, ou para projetar produtos e serviços inovadores, estão arraigados, e os atores organizacionais estão fortemente comprometidos com essas crenças e atitudes. Por isso, esses três passos a seguir se tornam essenciais. Confira:

Faça experimentos digitais

O primeiro passo para aumentar a retenção de uma parte relevante da competência organizacional durante o processo de renovação é se envolver em experimentos digitais que não violem essas crenças e atitudes tão profundas. Embora os processos implementados digitalmente possam ter um aspecto muito diferente daqueles tradicionais, eles ainda podem ser consistentes com essas crenças. 

Para descobri-las, os líderes precisam se envolver em um exercício de reflexão com seus grupos para conhecer as atitudes coletivas dos indivíduos da organização no sentido de produção de conhecimento, e como esses indivíduos avaliam o que é válido ou não.

Crie novas estruturas organizacionais

Em segundo lugar, ao integrar o velho e o novo, é importante perceber que precisam ser criadas novas estruturas organizacionais. Precisam ser feitos ajustes no conjunto de práticas mais exploratórias, de forma que essas novas práticas comecem a se tornar mais eficientes e dimensionáveis. 

Para construir essa nova organização híbrida, é importante reunir uma equipe de transição que inclua membros tanto da organização antiga quanto da nova e possa negociar trocas razoáveis. É provável que os membros da organização antiga resistam às novas práticas. 

Uma forma de superar sua resistência é permitir que pratiquem algumas tarefas de uma nova maneira, para que possam ver o valor dessas novas abordagens. Se desenvolverem essa aceitação, ajudarão a espalhar a nova prática entre seus colegas. Claro, tudo isso é muito mais fácil de dizer do que de fazer. 

Mantenha uma comunicação clara

A terceira parte dessa abordagem, que é crucial, é o papel do CEO e de outros líderes mais experientes na hora de comunicar uma visão clara e um compromisso com a mudança, alocar recursos para possibilitar a mudança e ajustar as métricas que recompensam a aprendizagem de novas práticas. 

Uma comunicação clara por parte do executivo de sua visão da transformação não a tornará, por si só, uma realidade. Mas essa comunicação servirá como combustível útil para lidar com as lutas cotidianas.

Conheça os benefícios da organização ambidestra

Existem diversos benefícios que a aplicação de uma liderança e administração ambidestra dentro de uma organização podem proporcionar ao negócio. É uma das mais adequadas estratégias de inovação e é cada vez mais utilizada em todo o mundo. Veja a seguir as principais vantagens:

Rápido desenvolvimento

Trabalhar com a ambidestreza é uma das melhores e mais estratégicas soluções para gerar um desenvolvimento mais rápido, pois a empresa possui a capacidade de ter os dois focos primordiais para seu avanço e crescimento. 

Ela consegue se desenvolver de forma acelerada desde que entende que apenas focar em inovações, sem ter um produto sólido, não é a solução ideal para o seu sucesso. Com um dos focos na estabilidade, ela pode testar as inovações sem arriscar tudo aquilo o que já construiu. 

Vantagem competitiva

Um outro benefício é poder se destacar das demais concorrências do mercado. Quando a empresa opta por implementar esse conceito, ela já se coloca a alguns passos a frente e possui vantagens competitivas.

Imagine o seguinte cenário: uma organização já é referência no campo de trabalho em que atua e fornece uma solução que atrai seus clientes, mas, de repente, surge uma outra empresa oferecendo o mesmo serviço de forma mais rápida e barata. 

O negócio vai precisar voltar alguns passos atrás e será necessário investir em dinheiro e tempo para se sobressair novamente. Uma empresa ambidestra pode contornar essas situações com mais facilidade, pois tem sua estabilidade, mas está em constante busca de inovação e adaptação ao mercado.

Equilíbrio entre eficácia e eficiência

Um dos maiores desafios da gestão é modelar a organização de acordo com as novas necessidades sem perder sua excelência operacional. O equilíbrio entre a eficácia e a eficiência é uma vantagem e um dos pontos centrais da ambidestria. 

A eficácia busca descobrir os alvos e metas ideais, oferecendo mais valor ao seu público e alcançando um crescimento sustentável. Ao mesmo tempo, se promove a eficiência, melhorando o desempenho do trabalho coletivo, reduzindo desperdícios, alcançando a escalabilidade e aperfeiçoando o fluxo de desenvolvimento.

Neste artigo, você descobriu como utilizar o conceito de ambidestria na organização para trazer inovação e estabilidade, de forma equilibrada. Que tal agora ler um pouco sobre como ter agilidade organizacional para estar à frente dos concorrentes? Confira aqui.

Transformação para o Sucesso

Saiba mais

Fique por dentro

Receba as notícias do nosso blog direto no seu email!