Redescobrindo a produtividade por meio da gestão da atenção

Artigo

Redescobrindo a produtividade por meio da gestão da atenção

Artigo
Redescobrindo a produtividade por meio da gestão da atenção

A revolução digital mudou o trabalho tal como o conhecemos. Os computadores cabem no bolso, e as paredes do escritório foram literalmente derrubadas para criar mais espaços abertos de colaboração. Com a tecnologia atual, “no trabalho” pode ser qualquer lugar em que você esteja. Poderíamos pensar que isso ajudaria, mas o fato é que só tornou as coisas mais complicadas, e as pessoas estão lutando ainda mais para conseguir fazer os trabalhos mais importantes.

Já faz tempo que a produtividade vem sendo classificada como “gestão do tempo”. Não estamos distantes da época em que uma agenda com uma página cheia de tarefas era nossa principal ferramenta. Porém, nesta era de distração, a gestão do tempo morreu. Não importa o quanto você feche seu calendário: o smartphone e o e-mail estão sempre alertando-o para alguma coisa nova que exige sua atenção. A distração é a norma. E, sim, estamos desatentos do trabalho, mas essa não é sequer a parte mais desafiadora do problema: estamos nos distraindo do trabalho realmente importante por causa de mais trabalho (!).

Da gestão do tempo à gestão da atenção

A gestão do tempo é uma abordagem equivocada; chegou a hora de abandoná-la e começar a pensar na “gestão da atenção“. A forma como você gerencia o tempo só é relevante na medida em que você também dedica sua atenção a algo. Conseguir recuperar e controlar a atenção é a única maneira de romper o ciclo de distrações constantes para que você possa reduzir o trabalho mais árduo e começar a fazer coisas relevantes. Você pode começar devagar, com uma única tarefa. Tenha momentos de atenção plena. Desative algumas notificações. Depois, você pode se dedicar depois a mudanças maiores. A boa notícia é que você tem muito mais controle do que pensa.

Nós nos imaginamos como vítimas de nossos dispositivos e do mundo que nos rodeia. Pensamos que temos que estar em contato, estar disponíveis para as pessoas que precisam de nós, e a constante distração é apenas uma das coisas com a qual temos que lidar. O fato é que, na maioria das vezes, nada disso se mostra verdadeiro. A distração custa cerca de 1 trilhão de dólares por ano, mas os efeitos diários são muito mais pessoais. A qualidade do nosso trabalho sofre porque simplesmente não fomos feitos para as multitarefas – por exemplo, pense em enviar uma mensagem de texto enquanto dirige. E a nossa qualidade de vida sai perdendo. A distração consome nosso tempo de atenção até que não conseguimos mais nos focar em uma pessoa, em uma conversa ou em uma experiência por mais do que alguns segundos ou minutos de cada vez. Pense no último jantar que você teve com amigos ou familiares: por quanto tempo conseguiu se concentrar antes de sentir a necessidade de verificar o telefone para ver se havia mensagens ou e-mail?

Viver em um mundo de tecnologia portátil significa que a diferença entre “tempo de trabalho” e “tempo pessoal” é difusa. O trabalho está sempre presente, mesmo que só estejamos verificando o e-mail para ver se chegou algo urgente (às vezes, apenas alguns minutos, durante toda a noite). Não fazemos intervalos reais e significativos e, no final das contas, passar um período desconectado é essencial para que tenhamos pensamentos mais profundos, façamos conexões, desenvolvamos as ideias e resolvamos problemas. Se você já descobriu uma ótima solução no chuveiro, quando sua mente estava em outro lugar, você sabe o que estou querendo dizer.

Saiba mais

Fique por dentro

Receba as notícias do nosso blog direto no seu email!